Nathália Fernandes

Nathália Fernandes

03 Fev 2014

Nathália é Bacharel em Artes Cênicas pelo Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto-SP; é representante do PCULT - Partido da Cultura; Coordenadora da frente gestora de Produção Cultural e empresária do Coletivo Fuligem de Comunicação e Arte; Integrante do Circuito Nacional Fora do Eixo; Integrante do Movimento Pró-arena de Ribeirão Preto; Representante-suplente no Conselho Municipal de Cultura na área de Teatro; 1ª Tesoureira da Associação Amigos do memorial da Classe Operária UGT; Docente de Maquiagem e Caracterização Cênica - Curso Técnico em Arte Dramática do SENAC Franca e Ribeirão Preto; professora no Projeto Sala de Teatro contemplado pelo PROAC - Programa de Ação Cultural da Sectetaria do Estado da Cultura; atriz, empresária e produtora executiva da Cia. Teatral Boccaccione desde 2006, atriz convidada na Cia. Teatro de Riscos e contralto na Cia. Canto de Riscos cuja a orientação é do maestro Sergio Alberto de Oliveira. Seus principais trabalhos: - Na área de produção cultural trabalhou de 2008 a 2010 na Tapis Rouge Eventos Artísticos; coordenou a III e IV Convenção Paulista de Malabares e Circo; coordendou a gestão do Espaço Cultural A Coisa em Ribeirão Preto;; organizou em 2010 e 2011 o I e II Festival Fagulha de Artes Integradas; coordenou o Palco Fora do Eixo do Festival João Rock em Ribeirão Preto e também o GT de Captação e Gestão do Se Vira Ribeirão - Virada Cultural Independente. - Na área de área de atuação, em 2005 participou do Projeto Ademar Guerra, no qual realizou aulas de Teatro de Animação ( Luis Carlos Laranjeiras), Introdução a Direção Teatral (Antonio José do Vale), Interpretação Avançada (Bri Fiocca) e Teatro Físico (Lucia Romano). Fez curso de Iniciação ao Teatro no “Espaço Cultural Santa Elisa” realizando aulas de História do Teatro, Improvisação I e II, Expressão Corporal, Técnica Vocal e Teatro Popular, além de diversas oficinas de treinamento livre e específico. Atualmente atua nos espetáculos de repertório da Cia. Teatral Boccaccione, entre eles: "Ubu Rei" de Alfred Jarry , direção de Tânia Alonso; "A Igreja do Diabo" de Machado de Assis, direção de João Paulo Fernandes, “O Horácio” de Heiner Müller, direção de Carlos Canhameiro.

COMENTÁRIOS